História da Cerveja

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×

Demorei certo tempo para decidir qual seria o conteúdo do post de inauguração do Condado da Cerveja, e entre inúmeros assuntos que rodeiam o mundo da cerveja, talvez fosse interessante começar pelo começo!

Assim, reuni algumas informações sobre a origem da cerveja para brindarmos o início deste blog. Saúde!

Sem dúvida uma das maiores descobertas do homem foi a cerveja!

Alguns mortais, assim como eu, acreditam que esta misteriosa bebida tenha sido colocada indiretamente no mundo antes mesmo do homem.

Para se ter uma ideia, bastou os sumérios perceberem que a massa de pão, quando molhada, fermentava e ficava ainda melhor, para dai surgir, mesmo que primitiva, a cerveja ou “pão líquido”.

Placa de barro relatando processo de produção da cerveja.

Placa de barro relatando processo de produção da cerveja.

Difícil datar quando o homem teve o primeiro contato com a cerveja. Alguns vestígios de “produção” gira em torno de 9.000 a.C. Outros apontamentos se referem a 6.000 anos na Mesopotâmia. Ficando a cargo de uma placa de barro de 1800 a.C., chamada de Hino à Ninkasi, o registro mais antigo de processo de produção da cerveja.

No período babilônico, existiam diferentes tipos de cervejas, as quais traziam além de plantas aromáticas, mel, cevada ou trigo. E foi o sexto rei da Babilônia, que introduziu a mais antiga lei que regulamenta a produção e venda de cerveja: O Código de Hammurabi. Dentre as regras estabelecida por esta lei, estava a ração diária de cerveja para o povo Babilônico: 2 litros para os trabalhadores, 3 para os funcionários públicos e 5 para os administradores e o sumo sacerdote.

“- Ekaaaa…Esta cerveja está ruim demais!!! Te condeno a morte…”
“- Mas meu Rei… Este é um estilo novo: o ambivinianico…”
“- Ambivi o quê? Vai morrer afogado… E nessa cervejinhaaa….”
“- Nãããããõooooooo…”

Brincadeiras a parte, o Código de Hammurabi decretava morte por afogamento ao cervejeiro que servisse uma cerveja ruim.

Assim como os Babilônicos, os egípcios também aprenderam a arte de fabricar a cerveja e foram os responsáveis pela evolução desta cultura. Um dos marcos é a estátua de um homem fabricando cerveja datada em 2400 a.C, encontrada num túmulo egípcio.

E ficou a cargo do Império Romano, a definitiva expansão da cerveja, levando-a para todos os cantos onde ainda não era conhecida.

Vale ressaltar que o aroma e sabor das cervejas antigas eram bem diferentes das que estamos acostumados a tomar hoje. Ingredientes como alecrim do norte, milefólio, mirra, absinto, rainha do bosque, gengibre, louro, sálvia, entre outros, eram os temperos utilizados nessas cervejas.

Berkel Enschot, brewery de Koningshoeven

Na idade média, a fabricação da cerveja ficava a cargo dos monges, os quais puderam conservar e aperfeiçoar a arte de fabricação da cerveja. Foi nessa mesma época que se começou a utilizar um dos principais ingredientes da cerveja: o lúpulo. Flor que além de emprestar qualidades conservantes naturais, fornece amargor, para equilibrar a doçura do malte, e uma variedade de sabores e aromas.

Em 1516, o duque Guilherme IV da Baviera, promulgou uma das leis mais importantes para a fabricação de cerveja: a Reinheitsgebot. A Lei da Pureza Alemã estabelecia que os únicos ingredientes permitidos para a produção de cerveja seriam: água, malte de cevada e lúpulo.

Hoje em dia podemos observar diversas cervejarias que ainda seguem a Lei da Pureza em suas receitas, nota importante para ressaltar o peso dessa lei.

Quando a Lei da Pureza foi decretada, ainda não se tinha o conhecimento da levedura, a fermentação ocorria espontaneamente, de uma forma quase mágica. Foi somente por volta de 1860 que Louis Pasteur, provou que a fermentação era resultado de ação de organismos vivos.

No Brasil, a cerveja foi trazida pela família real portuguesa em 1808, sendo que, somente meio século mais tarde ela começaria a ser produzida em solo tupiniquim pela Cervejaria Imperial.

A cerveja, assim como a humanidade, evolui consideravelmente através dos séculos. Muitas descobertas, invenções e tecnologia, agregaram novas possibilidades e aprimoramento ao “pão líquido”.

Saúde! E até o próximo post…

Referências:
Wikipédia
Brejas
Cervejas do Mundo
E a cachola

2 ideias sobre “História da Cerveja

  1. Pingback: Processo de Produção da Cerveja : Brassagem – Parte II | Condado da Cerveja - Dicas para nobres adeptos da cerveja artesanal e caseira.

  2. Pingback: A cerveja artesanal - Condado da Cerveja

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*