Arquivos da categoria: Ingredientes

Água para produção de cerveja: Minerais e Dureza

A concentração de alguns minerais presentes na água para produção de cerveja poderá influenciar diretamente seu sabor, de forma que a concentração desses sais determinarão a dureza da água, que é dividida em dureza temporária e dureza permanente.

água para produção de cerveja

Os principais sais são: bicarbonato, sódio, cloreto, sulfato, clácio e magnésio.

A dureza temporária é medida de acordo com a presença do bicarbonato dissolvido na água, e leva essa denominação devido a possibilidade de ser eliminada/reduzida através da fervura, onde ocorre a solidificação e precipitação do bicarbonato. Já a dureza permanente é influenciada pela quantidade de cálcio e magnésio presentes na água.

Pela soma dos íons de bicarbonato+cálcio+magnésio podemos chegar ao índice de dureza da água, em ppm (partes por milhão), que varia de “mole” a “dura”, conforme a tabela abaixo:

Continue lendo

Produção brasileira de lúpulo

A partir de um projeto apresentado pela Biotec (empresa de pesquisa científica na área farmacêutica e agropecuária), o Paraná estuda uma possível implantação de uma cadeia produtiva de lúpulo. Segundo a pesquisa da empresa, o estado do Paraná tem um grande potencial para desenvolver um mercado produtor dessa flor muito comum no meio cervejeiro.

O tempero da Cerveja

O tempero da Cerveja

“O lúpulo se desenvolve em clima frio, por isso não é produzido no Brasil. No Paraná, a região Sul tem potencial para a produção de lúpulo, em função do clima”, afirma o analisa Cirino Corrêa Júnior, coordenador do projeto de plantas potenciais do Instituto Emater.

Continue lendo

Levedura: a vida da cerveja!

Por mais que a água, o malte e o lúpulo tenham uma participação fundamental no processo de fabricação da cerveja, é a levedura quem realmente transforma o mosto em nosso precioso líquido.

Assim, somos obrigados a assumir que mesmo depois de um dia “duro” de brassagem, preparando e tomando todo o cuidado para obtenção do melhor mosto, nossa função se resume em apenas produzir o alimento da levedura e mantê-la feliz.

Levedura: o verdadeiro cervejeiro!

Levedura: o verdadeiro cervejeiro!

Existem diversas espécies de leveduras, mas apenas duas principais são utilizadas na fabricação de cerveja: Saccharomyces Cerevisiae, a levedura da cerveja tipo Ale, e Saccharomyces Uvarum, levedura da cerveja tipo Lager.

Continue lendo

Água: a alma da cerveja

Sempre ouvimos comentários sobre a importância da água na fabricação da cerveja e como ela pode influenciar na qualidade e no sabor do produto final.

E é verdade! Afinal, a cerveja é composta de mais de 90% de água, portanto, não surpreende que os minerais contidos nela tenham papéis fundamentais no gosto da cerveja.

 

Água a Alma da Cerveja

Antigamente, a qualidade da cerveja sempre fora associada a qualidade da água utilizada pela cervejaria, tornando assim, muitas cidades famosas pela qualidade de suas águas.

Continue lendo

Lúpulo: o tempero da cerveja

O lúpulo é uma flor que além de emprestar qualidades conservantes, também se responsabiliza pelo amargor e o leque de sabores e aromas das cervejas.

O tempero da Cerveja

O tempero da Cerveja

A Humulus Lupulus é uma trepadeira dióica, ou seja, existem flores machos e fêmeas, mas somente as delicadas e belas fêmeas são utilizadas na produção de cervejas.

A flor do lúpulo tem o formato de um pequeno cone verde, onde na base das pétalas encontram-se as glândulas que produzem um pó resinoso, chamado lupulina. É na lupulina que se encontram todas as propriedades desejadas pelos cervejeiros.

Continue lendo

Malte: o corpo da cerveja

Sua casca dura, o baixo teor de proteína e o alto teor de amido, faz com que o grão de cevada se sobressaia entre outros cereais, como o mais adequado para a fabricação de cerveja.

A cevada que sonha em um dia virar uma deliciosa cerveja, vai a luta sem medo de nos fazer feliz!

Após a colheita a cevada é levada para a maltearia, onde será submetida ao processo de malteação. Este processo é o responsável por tornar o amido de dentro das sementes mais macio – o grão não maltado é duro feito pedra – além de obter outras mudanças físicas e químicas, que o torna pronto para o macerado.

A malteação consiste em deixar o grão espalhado num piso de concreto especial, onde será borrifado com água até se iniciar a germinação das sementes. É fundamental que o malteador mantenha sempre fresco e aerado o fundo do piso, revolvendo constantemente as sementes.

Por volta de uns três dias de germinação o amido das sementes já está macio e repleto de enzimas naturais.

Olha que belezinha a cevada germinada...

Olha que belezinha a cevada germinada…

Continue lendo